quarta-feira, 20 de junho de 2007

O destino dos livros

Um escritor conhecido, falando sobre a dificuldade da distribuição de livros na nossa Cidade Sorriso, contou que muitas vezes o autor se vê obrigado a guardar os pacotes com os exemplares ocasionalmente encalhados embaixo da cama, por falta de outro lugar.

Quando estava providenciando o lançamento de meu primeiro livro, tinha uma cama com três gavetões, sob a qual não havia espaço para guardar os livros que encalhassem. Por via das dúvidas, troquei minha cama por uma de quatro pés, com amplo espaço, embaixo, para acomodar os pacotes, quando chegassem da editora. Eles ficaram lá por algum tempo, até que descobri que poderiam ser arrumados nas estantes, por detrás das fileiras dos seus livros. Melhor seria, porém, se eles se transferissem para as bancadas das livrarias e, depois, para as estantes dos leitores. Mas o destino dos livros de um autor pequeno e desconhecido é repousarem em algum canto escondido da casa.

3 comentários:

Daniel.Cruz disse...

Os meus estão aqui, pertinho de mim, bem à vista. E em breve, talvez, tenha outros na estante de uma garota que conheci recentemente e compartilha seu gosto pela leitura. Quem sabe eles ajudam a florescer novos "pequenos amores" na minha vida também?

Um beijo, tia.

Daniel.Cruz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Aníbal Bragança disse...

Cara Gracinda,
gostei muito de receber sua visita no Ler, escrever e contar e de seu depoimento. Não acredito que você está "bem velhinha", mas vejo que você, estando "aposentada", realiza projetos antigos, como publicar seus livros, e, talvez melhor ainda, a publicar seus textos neste blog.
A distribuição de livros no Brasil todo é muito difícil, mas mais difícil é encontrar leitores dispostos a comprar e a ler o que escrevemos em livros. Quando os encontramos é uma felicidade imensa. Posso afirmar isso, principalmente pela experiência que tenho com o Livraria Ideal, do cordel à bibliofilia. Hoje vejo que todos temos menos tempo para ler e a leitura rápida na tela do computador, de textos curtos, pode nos trazer muitas alegrias e ser muito gratificante, também, para quem escreve.
Espero que nos encontremos com mais freqüência em nossos espaços virtuais, mas torço para que nos encontremos também "em pessoa" para lhe dar um fraterno abraço.
Aníbal
PS: Vou agradecer muito ao Vasco a divulgação que me permitiu ganhar uma querida leitora.